quinta-feira, 24 de junho de 2010

O Tempo de Deus

video

quinta-feira, 17 de junho de 2010

O VERDADEIRO DEUS E SEU VERDADEIRO FILHO.

Uma das coisas que mais persegue aqueles que têm sede do verdadeiro Deus e de Sua Palavra são as falsas doutrinas.

O evangelho é algo muito simples. Deus enviou Seu Filho Jesus para que desse a vida no lugar daqueles que realmente deveriam perecer.

Não há nada por trás disso. É amor puro e simples! Deduzimos então que o evangelho é isso; amor puro e simples.



O que levou Jesus a vir a Terra e caminhar entre pecadores, morrendo sacrificiosamente numa cruz, senão o amor? O que levou Paulo a estar preso, passar humilhação e morrer decapitado? E Pedro, que liderou toda a cristandade em Jerusalém até Jesus, mesmo vivendo escondido e morrendo crucificado de cabeça para baixo?

Eles não tinham conforto, não tinham gordos salários fixos e também não tinham o apoio da sociedade da época!

Eram párias. Não mais pertenciam a este mundo com suas regras. Tudo por causa da sua missão; “Amai-vos uns aos outros assim como Eu vos amei”. (Jo. 13:34 e Jo. 15:12)



Mas os homens acham tudo isso insuficiente demais para se ‘achegar a Deus’. Criaram doutrinas inspiradas em suas maiores sandices e as apregoaram aos leigos e fiéis.

* Pregaram que o som das moedas tilintando no fundo dos cofres romanos traria almas martirizadas de volta do purgatório para o céu.
* Estabeleceram doutrinas tão complicadas de se seguir que o homem mal conseguia entendê-las, quiçá segui-las.
* Começaram a pregar em línguas eruditas, porque criam que o homem comum e simples era ‘impuro’ demais e sua língua natal ‘profana’ demais para ‘palavras tão santas’.



Algo completamente inacreditável segundo a ótica das palavras do próprio Jesus. Um Jesus que se assentava no meio das multidões, pois era povo como o povo.

Que pregava vida em abundância e amor com palavras simples ao entendimento da massa. Quando cria ser insuficiente, esse mesmo Jesus contava historias (parábolas) para ilustrar aquilo que pregava.

Jesus nunca pregou que doação em dinheiro salvaria a alguém, mas pregou que aqueles que queriam seguí-lo deveriam vender tudo que tinham, doar aos pobres e caminhar ao lado seu. (Mt 19;21 – Mc 10:21 – Lc. 19:45)



Paulo também teve problemas com alguém que fingia pregar da parte de Deus, mas queria apenas engambelar o povo com truques de mágica e palavras inteligíveis, pois tinha lucro financeiro e ganhava status com isso (At. 13: 6 ao 12). Jesus repreendia constantemente aos fariseus e saduceus que tentavam distorcer os ensinamentos tradicionais do judaísmo e confrontá-los com o evangelho.



Ainda hoje você encontrará em cada esquina alguém que pregue coisas de Jesus não disse e distorça palavras que Jesus não pregou. Como já dissemos; o evangelho é amor!

Desconfie sempre de conjecturas complicadas, de homens que se dizem os ‘novos messias’, de pessoas que acrescentam coisas ao evangelho que Jesus não pregou e mais ainda daqueles que desfazem completamente das palavras e ensinamentos de Jesus.



O evangelho é simples. Jesus é simples. Nada dito por qualquer homem, por mais erudito que pareça, pode refutar ou mesmo desmentir qualquer ensinamento de Jesus.



Leia atentamente estas palavras;

“Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu nos anuncie outro evangelho, além do que já vos foi anunciado; seja mentiroso!” (Gl. 1:8)

Não há realmente na terra quem leve o homem aos verdadeiro Deus senão Seu Filho Jesus.

“Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem, o qual deu a Si mesmo em resgate de todos”...(1ºTm. 2:5,6 a)



Se hoje ainda você for abordado por qualquer palavra seja em seu trabalho, na sua rua, por e-mail, orkut, blogs, tv, ou qualquer veículo ou mídia, lembre-se sempre que Deus se preocupa com você e deu a Jesus para morrer uma morte que era sua ou minha para que você e eu tenhamos a vida que é Dele!



CREIA EM JESUS!



Wendel Bernardes.

sábado, 12 de junho de 2010

Náufrago

Um certo homem saiu em uma viagem de avião. Era um homem temente a Deus, e sabia que o Senhor o protegia.
Durante a viagem, quando sobrevoavam o mar, um dos motores falhou e o piloto teve de fazer um pouso forçado no oceano. Quase todos morreram, mas o homem conseguiu agarrar-se a alguma coisa que o conservasse em cima da água. Ficou boiando à deriva durante muito tempo até que chegou a uma ilha não habitada.

Ao chegar à praia, cansado, porém vivo, agradeceu ao Senhor por este livramento maravilhoso da morte. Ele conseguiu se alimentar de peixes e ervas. Conseguiu derrubar algumas árvores e com muito esforço construiu uma casinha para ele. Não era bem uma casa, mas um abrigo tosco, com paus e folhas. Porém significava proteção. Ele ficou todo satisfeito e mais uma vez agradeceu ao Senhor, porque agora podia dormir sem medo dos animais selvagens que talvez pudessem existir na ilha.

Um dia, ele estava pescando e quando terminou, havia apanhado muitos peixes. Assim, com comida abundante, estava satisfeito com o resultado da pesca. Porém, ao voltar-se na direção de sua casa, qual não foi sua decepção,ao ver sua casa toda incendiada.
Ele se sentou em uma pedra chorando e dizendo em prantos:
-Senhor! Como é que foi deixar acontecer isto comigo? O Senhor sabe que eu preciso muito desta casa e o Senhor deixou queimar todinha. O Senhor não tem compaixão de mim? Eu sempre faço minhas orações diárias.
E assim permaneceu o homem durante algumas horas, envolvido em sua revolta e dor.

Passado algum tempo, uma mão pousou no seu ombro e ele ouviu uma voz dizendo:

-Que bom encontrá-lo... você está bem?
Ele se virou para ver quem estava falando com ele, e qual não foi sua surpresa quando viu em sua frente um marinheiro acompanhado de uma equipe: -Vamos rapaz, nós viemos te buscar...

-Mas como é possível? Como souberam que eu estava aqui?

-Ora, amigo! Vimos os seus sinais de fumaça pedindo socorro.
O capitão ordenou que o navio parasse e nos mandou vir lhe buscar naquele barco ali adiante. O grupo entrou no barco e o homem foi para o navio que o levaria em segurança de volta para os seus familiares tão queridos.

A propósito, como anda a sua fé?